14 de abril de 2007

Tu não sabes

Tu não sabes, como a minha água corre

salpicando de todas as cores, a minha

tenebrosa dor.

Dor de mim e de ti, meu pobre coração.

que nas fráguas da minha ilha

se encontra na mais inquietante espera.

Trinca-me boca pois não quero

Mais sofrer…

Tu não sabes do meu amor, por mais

Razões que dês à tua mente.

Motivos que te estão vedados

Pois ergui um muro à minha volta

E o que preciso Amor? Que o derrubes

Com o teu jeito gentil e carinhoso.

Tu não sabes, mas adivinhas

A grandeza do meu amor

Mesmo quando rio e sem lágrimas

Nos olhos ,mas quanta dor...



2 comentários:

anónimo disse...

A saudade é uma dor imensa,mas quando é compensada com o amor,carinho,tudo muda meu amor!
beijinhos deste maluco que adora-te!
anónimo

Patrícia Santos disse...

Mais um fantástico poema!!

Lamento não ser mais assídua, mas as coisas nem sempre correm bem.

Beijos Cósmicos