11 de fevereiro de 2009

Sentir


Calaste o riso da madrugada e já nada resta
o brilho tornou-se mancha a cavalgar
pela floresta...a terra gritou
pelo amanhecer na fúria de mais um dia.
Pousei os lábios na oferta que a vida
me deu e abracei o longo clamor.
Morreram as palavras...
Nasceu o sol e a chuva continua...

7 comentários:

Cotovia disse...

Entre o luar e o crepúsculo, o sono e a lucidez, o silêncio do mundo e o barulho de ti, há uma voz muda que percorre a aridez do teu pensamento... Sentes?... É o Pio da Cotovia!...

O Profeta disse...

Dispersos sentires presos na bruma...

O meu pensamento é gaivota
Entre as tempestades e as pedras negras
Meço o tempo pela chegada da Lua
Sou homem nu a que um deus dita regras


Bom carnaval


Mágico beijo

MADRUGADA... disse...

Quando se cala o riso da madrugada, entregamo-nos nas mãos do que seja, nem que seja "na fúria de mais um dia" afastando a solidão.

bjs

O Profeta disse...

És madeira verde
Ou apenas mulher perdida
Testemunha de berço feito de penas
Arca perdida da dor contida

Tudo isto é universo
Em límpida poça de água
Onde as conchas têm a forma de coração
Onde o sal afasta a mágoa

A ti que és minha amiga especial
convido-te a partilhar comigo o “sítio das conchas azuis”




Beijo azul

Freedom disse...

Olá, to de volta. senti saudade das tuas palavras ^^

Beijo

O Profeta disse...

Para lá desta janela sincera
Mora a luz radiosa, inconstante
Esta Lira liberta uma breve melodia
Que a brisa carrega adiante

Passos amedrontados
Olhos abertos sem vida, sem fervor
Sons mais que mil e muitos
Máscara da ironia de Deus superior

Bom fim de semana


Mágico beijo

Divinius disse...

Tanta simplicidade dá em?
Magia...